Magazine Luiza: 5 lições para o mercado automotivo

Tempo de leitura: 5 minutos

[Total: 0   Average: 0/5]

Se você precisou comprar algo nos últimos anos e realizou uma pesquisa, é bem provável que você tenha acessado o Magazine Luiza. A gigante do varejo nasceu em 1957 e logo mostrou que não seria apenas mais uma no mercado. Em uma ação de marketing audaciosa para a época, eles fizeram um concurso entre os clientes através de uma rádio local para a escolha do novo nome da loja. A sugestão foi Magazine Luiza.

Foi sob o comando de Luiza Helena Trajano, uma das três mulheres mais poderosas do Brasil segundo a revista Forbes, que a empresa ganhou força anos depois. Em 2020, por exemplo, enquanto muitas empresas, de diversos segmentos, registraram quedas nas vendas ou até mesmo fecharam as portas, o Magazine Luiza cresceu 60% e teve faturamento recorde.

O caminho até o impressionante resultado não aconteceu por acaso ou do dia para a noite, mas sim a partir da mudança de minset que fez com que o Magalu deixasse de ser “uma empresa tradicional que tinha canal digital” para ser uma “plataforma digital com pontos físicos e calor humano”.

Como essa empresa tradicional do varejo se tornou um dos negócios mais promissores da era digital? O que podemos aprender com a virada de chave do Magazine Luiza? Separamos algumas lições que você pode aplicar no mercado automotivo.

Magazine Luiza

1. Coragem para inovar e sair na frente

Muitas vezes é preciso sair da zona de conforto para alcançar o sucesso. Afinal, ao encarar novos desafios podemos até ter medo de falhar, porém abrimos um universo repleto de possibilidades. Foi trilhando novos caminhos que grandes negócios se consolidaram como empresas valiosas. Foi assim com a Apple, com a Amazon, com a Tesla e também com o Magazine Luiza.

Como resultado, o Magalu foi uma das primeiras empresas do varejo brasileiro a entender o potencial do ecommerce. A empresa iniciou sua operação online em 1992, quando a internet no país nem mesmo era popular. Dessa forma, pavimentou um novo caminho, acumulou experiência e aprendeu a explorar o canal bem antes dos concorrentes.

2. Explorar o poder das redes socias

Por ser uma empresa inovadora, o Magazine Luiza também foi uma das primeiras do varejo a explorar o poder das redes sociais.

De acordo com estudo realizado pela We Are Social e Hootsuite existem 150 milhões de usuários de mídias sociais no país. Esse público costuma gastar em média 03 horas e 42 minutos por dia conectados nas redes.

Percebendo este cenário, além de digitalizar a empresa, o Magazine Luiza apostou na força das redes sociais. Uma das ações para aumentar as vendas e percepção da marca que mais chamam atenção foi a criação da Lu, em 2007.

Inspirada em Luiza Helena Trajano, a Lu começou como uma vendedora virtual, virou especialista digital, youtuber e hoje é um dos cases pioneiros de humanização de marcas no Brasil.

3. O cliente no centro de tudo

Uma das estratégias que transformou o Magalu é uma das referências no varejo foi o Customer Centric (Cliente no Centro). Ou seja, a centralização de todas as ações no cliente. Com isso, a empresa busca fornecer uma experiência cada vez melhor para o seu consumidor.

Hoje os consumidores estão cada vez mais exigentes e, por isso é fundamental criar uma estratégia em que eles sejam o foco principal. Sendo assim, a área de atendimento ao cliente deve ser vista como estratégica dentro de uma companhia e é isso que vemos hoje no Magazine Luiza.

4. A estratégia omnichannel do Magazine Luiza

O cliente quer comprar determinado produto de uma loja pelo WhatsApp ou Facebook, mas o estabelecimento não está preparado para atender esse tipo de demanda. Ou então, o consumidor viu um produto na loja física e gostaria de recebê-lo em casa, mas o local também não faz esse tipo de venda.

Isso já aconteceu com você?

Esses problemas são mais comuns do que se imagina. Mas como solucioná-los?

A saída é estruturar uma operação omnichannel. Um dos maiores cases de empresas que utilizam omnichannel no Brasil certamente é o Magazine Luiza. A empresa está presente em redes sociais, e-commerce, televendas, aplicativos e plataformas próprias – além de possuir diversas lojas físicas espalhadas pelo Brasil. Tudo isso funcionando em perfeita sintonia, garantindo o mesmo atendimento nos diferentes canais. Dessa forma, o cliente sempre consegue encontrar uma forma de chegar até o Magazine Luiza.

5. Capacitação

O momento atual também impactou diretamente o perfil dos profissionais do varejo. Assim como boa parte dos meios usados no processo de compra hoje já é digital, o vendedores precisam estar prontos para utilizá-las a seu favor. Por isso, a empresa incentiva treinamento e atualizações de seus profissionais.

Outra ação que chamou a atenção em relação a isso foi a aquisição da ComSchool, maior escola do Brasil de cursos de Marketing Digital e E-commerce. Assim, o Magalu se tornou uma poderosa máquina para digitalizar milhões de microempresas pelo Brasil, ensinando-as a venderem pela Internet e dessa forma aumentarem sua capacidade de atrair e reter clientes.

Magazine Luiza: insight para o setor automotivo

Essas cinco características são comuns em grandes empresas como o Magazine Luiza, no entanto até mesmo pequenos negócios podem aplicar essas lições e ter sucesso. No episódio Magazine Luiza: insight para o setor automotivo, do Champions Cast, Mariana Castriota contou tudo sobre as ações que levaram o Magalu ao crescimento.

Para assistir na íntegra o episódio com a gerente de Marketplace do Magalu, basta clicar no banner abaixo.