Tráfego pago e concessionárias: tendências em 2022

Tempo de leitura: 5 minutos

Existem basicamente duas maneiras de aparecer para alguém na internet: de maneira orgânica e paga. Atualmente, com o crescimento das pessoas dentro das mídias online, está cada vez mais difícil aparecer organicamente, isto é, grátis. Então, pagar para anunciar não é mais um “luxo”, é uma obrigação. Por isso, é necessário saber como casar tráfego pago e concessionárias, criando uma estratégia vencedora.

Anteriormente, já foi abordado em vários materiais gratuitos e artigos anteriores estratégias de tráfego pago para concessionárias. Irei deixar os links abaixo para você se aprofundar, caso necessite.

Artigo: Como gerar tráfego para o site da concessionária: 5 dicas valiosas

Ebook: Tráfego online: o que você precisa saber para começar a atrair visitantes ao seu site

Entendendo a importância do tráfego pago e se aprofundando nele a ponto de criar os próprios anúncios, é necessário entender tendências e possíveis acontecimentos que estão surgindo.

A internet, diferente de outros meios mais arcaicos muda de uma hora pra outra devido a ter base tecnológica. Por isso, acompanhar e entender tendências é algo essencial para qualquer um que trabalha direta ou indiretamente com ela.

Por isso, nesse artigo, vou mostrar para você grandes tendências promissoras em 2022 e como fazer para não ficar para trás em relação a elas.

O possível fim do pixel

O Pixel é uma ferramenta de rastreamento.

Em resumo, é um código colocado nos sites dos anunciantes, possibilitando identificar e rastrear ações específicas, para possibilitar anúncios específicos para essas pessoas que realizaram as ações.

Até 2021, era possível rastrear e investigar todo mundo que acessava os sites e também quem realizava ações específicas, como converter em um formulário, assistir um vídeo, navegar em uma página..

Depois que a Apple lançou o IOS14 e começou a dificultar esse rastreamento focando na privacidade dos usuários, os anunciantes viram que tinham um grande desafio pela frente.

Algumas configurações iniciais conseguiram “driblar” esse problema, mas trataram apenas alguns sintomas do início, pois a Apple continuou obstinada a continuar com esse projeto.

Em breve, supõe-se que o Pixel não funcione mais, surgindo outras maneiras de rastrear os usuários e visitantes de um site ou aplicação.

Como lidar com isso?

Nesse caso, a única coisa que resolve no longo prazo é o conhecimento e o estudo constante. Abaixo, vou deixar uma listagem de coisas que ajudam a se prevenir e estar preparado para o possível fim do pixel:

Além disso tudo, é necessário manter-se informado sobre atualizações que possam vir de maneira constante.

Acima de tudo, é necessário ser cauteloso, ninguém sabe quando uma mudança repentina pode acontecer.

TikTok, Reels e Shorts

Os vídeos curtos ganharam espaço nas redes sociais nos últimos dois anos e não pretendem sair de cena tão cedo.

Videos curtos: tiktok, reels e shorts

Com toda essa audiência e produção, uma hora os anúncios viriam a calhar, considerando que grande parte da audiência está lá.

O TikTok já tem uma plataforma de anúncios e, por mais que ainda seja algo muito novo e recente, é possível gerar oportunidades por lá.

Também, recentemente, o Instagram liberou os anúncios com o posicionamento de Reels, onde é possível anunciar dentre os vídeos curtos da plataforma.

Antes de mais nada, isso também mostra que os vídeos curtos do Youtube, chamados de Shorts, logo logo poderão ser disponibilizados como posicionamento para anunciar dentro da plataforma do Google Ads.

Como aproveitar?

Não existe uma fórmula mágica para se aproveitar essas tendências. Elas podem funcionar para alguns anunciantes e para outros não e isso não é problema. O que importa é identificar se funciona bem para sua concessionária e se não funcionar, buscar outras alternativas.

Abaixo, segue um framework para ter sucessos em novas plataformas de tráfego pago:

  1. Investir pouco dinheiro paralelamente nas plataformas
  2. Deixar as campanhas rodando por algum tempo
  3. Coletar os principais dados e resultados
  4. Identificar quais plataformas trouxeram mais resultados
  5. Investir mais no que funcionou

Dessa forma, é possível entender o que funciona melhor e buscar bons resultados de maneira constante.

Conclusão

Por fim, canais de mídia paga representam grandes oportunidades para anunciantes, negócios e empresas em geral no mercado. E também, isso não é diferente para o mercado automotivo, considerando que há vários consumidores em potencial que estão usando ativamente essas plataformas.

Mas, é importante dizer que não se deve colocar todos os ovos na mesma cesta quando se fala em plataforma de aquisição de clientes. É algo muito perigoso quando se dedica todos os investimentos em um só lugar, pois, se essa plataforma tem uma mudança drástica, impacta 100% no seu negócio.

Por isso, você deve utilizar a mídia paga com todas as dicas que demos nesse artigo, mas também explorar outras possibilidades, que serão essenciais para deixar seu negócio intacto em períodos mais complicados.

Caso queira entender mais sobre ações de marketing para concessionárias, é só clicar no banner abaixo!

ebook dicas práticas de marketing digital automotivo